AS REFERÊNCIAS NO PROCESSO CRIATIVO

.
Fotografia é uma mistura muito precisa de técnica e criatividade. Com tantos fotógrafos atuantes, inspiração é importante para criarmos fotos que se destaquem, que despertem alguma coisa a mais em quem as vê. Em geral, a inspiração é descrita como um presente vindo do acaso. Uma iluminação que nos torna mais produtivos e criativos em momentos muito específicos. Assim, nunca sabemos quando seremos agraciados ou não com esta dádiva. Mas a inspiração pode ser estimulada, criada. 

.
Hoje vamos falar de um livro pequenininho, despretensioso e bem-humorado, mas que deveria estar na cabeceira de todos que trabalham com criação ou que desejam ser mais criativos em suas vidas.  
.
ROUBE COMO UM ARTISTA: 10 DICAS SOBRE CRIATIVIDADE  foi lançado pela editora ROCCO em 2013. Escrito por AUSTIN KLEON, o livro traz uma série de reflexões sobre o processo criativo. A ideia central do livro é que toda criação é feita a partir de referências. Para se libertar e dar início a qualquer produção de uma forma mais leve, sem bloqueios,  precisamos aceitar que a originalidade está na nossa forma de fazer algo que outras pessoas já fizeram antes de nós. 
.
“Uma falha maravilhosa que há nos seres humanos é o fato de sermos incapazes de fazer uma cópia perfeita. É em nossa falha em copiarmos nossos heróis que descobrimos onde está o que é nosso. É assim que evoluímos.” ( ROUBE COMO UM ARTISTA, PÁG. 49)
.
No livro, há diversos exemplos de personalidades que começaram copiando os seus ídolos. Foi tentando fazer igual que elas entenderam no que precisavam melhorar para chegar onde os seus antecessores já estavam. Somente quando preencheram suas lacunas, conseguiram desenvolver trabalhos especiais e tornaram-se referências para outras pessoas. 

Usando a fotografia como exemplo, a proposta não é fazer uma foto igual a de outro fotógrafo e mostrá-la ao mundo com a sua assinatura. E sim, que você tenha muitas referências e estude bastante as suas referências. Estude também as referências das suas referências. Assim, você vai entendendo o que gosta, o que não gosta, o que serve e o que não serve para você, solidificando cada vez mais a sua identidade artística. 
.
A mistura das suas referências com a sua forma de ver e fazer as coisas é que será o ponto de partida para a criação de uma obra especial. 
.
Outro ponto interessante abordado no livro é: não se limite a referências apenas relacionadas a sua área de atuação. Seu banco de dados é formado pelas pessoas que você encontra, pelas músicas que você ouve, pelos livros que você lê, lugares que frequenta… “Tudo é ritmo no cérebro do poeta”, como no verso da poesia MAPA de MURILO MENDES. Para usarmos também uma referência fotográfica, temos a célebre frase de ANSEL ADAMS:
.
“Não fazemos uma foto apenas com uma câmera; ao ato de fotografar trazemos todos os livros que lemos, os filmes que vimos, a música que ouvimos, as pessoas que amamos.”
.
A inspiração sempre vem do seu banco de dados. Alimente-o. Quanto mais referências você tiver, mais produtivo e criativo você será. 

.

.

Texto: LILI FIGUEIREDO

Foto: MABBOM SANTOS

Postado em: 03/07/2020



Comentarios

Nenhum comentário.

Comente aqui