ARQUIVO PETER SCHEIER: VISITA GUIADA COM A CURADORA DA EXPOSIÇÃO

 

Todos os brasileiros sabem: o ano só começa mesmo após o Carnaval. Como em 2020 a festividade aconteceu no final de fevereiro, não é exagero dizer que em meados de março o ano ainda começava quando fomos surpreendidos de uma forma inimaginável. Desde então, vivemos uma realidade bem diferente da que esperávamos viver. Distante de pessoas, lugares e hábitos queridos. 

 

Voltando ao tempo em que as máscaras eram mais lembradas por seu uso recreativo, no dia 25 de janeiro, a cidade de SÃO PAULO completava 466 anos e a exposição ARQUIVO PETER SCHEIER era inaugurada no IMS PAULISTA. A mostra ficaria em cartaz até o dia 24 de maio. No entanto, no dia 16 de março o IMS anunciou em suas redes sociais o fechamento do INSTITUTO por tempo indeterminado devido à pandemia do novo coronavírus.

 

Entre outras muitas restrições, também perdemos subitamente um programa presente na rotina de muitos fotógrafos: visitar exposições. Assim, foi extremamente reconfortante encontrar neste julho desesperançoso um vídeo sobre a exposição ARQUIVO PETER SCHEIER, ainda mais sendo o registro de uma visita guiada com a curadora da exposição, HELOISA ESPADA.

 

A experiência de assistir ao vídeo é como a de rever uma fotografia que nos remete a um momento especial. Certamente, a sensação de estar novamente em um espaço expositivo dedicado à arte é potencializada pela forma com a qual ele foi gravado. A câmera filma a curadora apresentando a exposição, o público presente no evento e muitas das obras expostas. Nas exposições onlines, muito comuns atualmente, conhecemos as obras, mas fora de um espaço expositivo idealizado para melhor apresentá-las. São iniciativas válidas, mas que não despertam a mesma sensação de visitar uma exposição presencial. 

 

PETER SCHEIER nasceu na ALEMANHA em 1908. Em 1937 mudou-se para o BRASIL para escapar da ascensão do Partido Nazista. Embora ainda não atuasse profissionalmente como fotógrafo, ele trouxe consigo algumas câmeras. Até então, considerava a si mesmo um amador. Aqui, as oportunidades foram surgindo e ele foi trilhando um caminho de destaque na fotografia. Montou o seu próprio estúdio fotográfico; trabalhou na revista O CRUZEIRO; lançou livros; teve suas obras expostas; registrou o surgimento do MUSEU DE ARTE DE SÃO PAULO, da BIENAL DE SÃO PAULO, a construção de BRASÍLIA; colaborou com arquitetos como RINO LEVI e LINA BO BARDI. Fotografou também ISRAEL, tendo sido convidado pelo próprio governo israelense. Faleceu em 1979, deixando para nós uma imensa contribuição histórica e artística.

 

Em 2009, O INSTITUTO MOREIRA SALLES adquiriu a maior parte do acervo de PETER SCHEIER, que inclui cerca de 35 mil negativos de registros realizados entre as décadas de 1940 e 1970. A ideia da exposição surgiu como uma forma de trazer visibilidade para os acervos pertencentes ao IMS. 

 

Para assistir ao ARQUIVO PETER SCHEIER | VISITA GUIADA COM A CURADORA DA EXPOSIÇÃO, acesse: https://bit.ly/3eFII5r

 

Quer conhecer mais sobre PETER SCHEIER? Temos também uma dica de leitura! Em 23 de janeiro deste ano, o JORNAL DA USP publicou uma matéria bem interessante intitulada PETER SCHEIER, O FOTÓGRAFO QUE OBSERVOU SÃO PAULO. Escrita por MARIA LAURA LÓPEZ, além de trazer muitas informações sobre o fotógrafo, a publicação também conta com observações feitas pela curadora da exposição, HELOISA ESPADA, e do professor de fotografia da ESCOLA DE COMUNICAÇÕES E ARTES da USP, ATÍLIO AVANCINI. Leia em: https://bit.ly/2ZBAS8Y

 

Escrito por Lili Figueiredo.

Imagem: Peter Scheier, autorretrato. Divulgação/Site Peter Scheier.

 

Referências:

LÓPEZ, Maria Laura.O fotógrafo que observou São Paulo. Jornal da USP (São Paulo, 23 de janeiro de 2020). Disponível em: https://bit.ly/2ZBAS8Y

 

INSTITUTO MOREIRA SALLES. Arquivo Peter Scheier | Visita guiada com a curadora da exposição. Disponível em: https://bit.ly/3eFII5r

 

ESPADA, Heloisa. Texto da curadora. Arquivo Peter Scheier/IMS. Disponível em: https://bit.ly/2WytgCe

 

Postado em: 17/07/2020



Comentarios

Nenhum comentário.

Comente aqui